Merece uma dose!

Merece uma dose! é como uma mesa de bar.

“Vendo essa tua cara eu sinto que você não me diz”

Salve, salve! Meu primeiro post no Merece uma dose! é um presente. Um presente pra quem tá dispost@ a viver o presente e a procurar beleza e poesia no que, em superfície, nos parece estranho.

Venho falar de Letuce, banda carioca que conheci ano passado através dessa infinita highway que é a internet.Imagem Uma moça twitta a seguinte frase “passarinho quis voar e voou, eu não atrapalho não, sou dessas que tem binóculos”.  Estava vivendo exatamente isso e, na mesma hora, fui googlar pra descobrir de onde provinha e aí deu Letuce.

Baixei o primeiro cd da banda – Plano de fuga pra cima dos outros e de mim, 2009 – e tive profundo estranhamento com a maioria das músicas. Um ritmo diferente, uma voz forte e não tão bonita assim. Não insisti, não insisto com arte,” ou toca, ou não toca” e ouvia apenas as mais animadinhas. Mas aí cansei dos outros cd’s do mp4 e as longas jornadas de transporte coletivo pediam música, resolvi dar uma chance para aquele cd esquecidinho.

Aí pronto, o amor começou. Em pouco tempo, eu ligava cada relacionamento vivido a uma música do cd. Perturbei muito uma amiga para ela ouvir também e com ela foi o mesmo: primeiro, resistiu, depois, se jogou na paixão. Procurei saber mais sobre a banda e, depois de alguns twits trocados, entrevistas lidas e assistidas e muita companhia das músicas, eis o que sei.

Letuce é formada, essencialmente, por Letícia Novaes e Lucas Vasconcellos, namorados há uns quatro anos. Os dois já sabiam um do outro antes de se conhecerem e na noite em que se conheceram, numa festinha de uma amiga em comum, Letícia pressentiu a chegada de Lucas e fez questão de abrir a porta quando a campainha tocou. Na mesma noite, os dois já compuseram.

Letícia não fala de amor à primeira vista, fala de uma disposição que os dois se deram de conhecer um ao outro e entender o que rolava entre eles. Letícia acha que andar de mãos dadas é mais íntimo do que transar, respeita seus limites e leva o tempo que precisar para desenvolver qualquer coisa. Levou três meses pra ela pedir Lucas em namoro.

E é daí que vem a Letuce, do amor dos dois. É fácil perceber isso. A gente identifica nas músicas aquela vontade que se tem que as horas passem pra poder ver logo o outro, e a de, quando estamos juntos, ficarmos logo sozinhos e nos horizontalizar. Identifica briguinhas, aconchego, dúvidas quanto ao futuro, frio na barriga, troca de confidências, bobagens e memórias de infância, enfim, coisas que quem tá apaixonad@, ou já se apaixonou, vai sacar na hora, ou no tempo que precisar.

Quando indagados se não têm medo de que a Letuce acabe caso venham a terminar o namoro, a resposta é simples: Letuce nunca existiria se eles não fossem um casal e as músicas que já compuseram estão aí e são para sempre. Lucas ainda solta que tem “crença no amor, na Letícia como mulher e nos dois como um casal capaz de se transformar”. Tá bom pra você?

Concordo com o Lucas. Acho a Letícia uma mulher extraordinária. A gata tem 1,83 m de altura, veste roupas mega coloridas, usa acessórios incomuns e, como a boa atriz que é, não tem a menor cerimônia em gesticular. Na escola, sofreu bullying. Era apelidada de girafa por causa da altura e magreza. Hoje, ela tem uma girafa tatuada nas costas e se identifica muito com o bicho – o que eu acho muito nietzscheano da parte dela – e falando em tatuagem, ela tem também tatuado no braço um liquidificador contendo dois corações. Segundo ela, o amor é turbulento, mas gera uma mistura gostosa.

ImagemLucas não é menos fofo. Quando os dois ainda nem ficavam, o moço tocava seu violão enquanto ela dançava na frente dele. De repente, ele passa o instrumento por cima dela e dá um abraço enquanto continua a tocar. Tempos depois, Lucas faz o mesmo num show, Letícia se assusta, mas depois se emociona bastante. Uma moça entre um rapaz e o seu instrumento de trabalho.

E a salada aumenta: os dois também tem um trabalho chamado “EP Couves”. Músicas nacionais e internacionais revisitadas. Incluindo muitos pagodes que fazem o público cult e alternativo carioca cantar junto emocionado. E tem que ser assim, Letuce não toca para público apático. O espetáculo é algo vivo e construído junto. Brincam com o lance de se ouvir “música boa”. Quando pensa nos tempos de adolescente, Letícia lembra mesmo é do pagodão que rolava na lanchonete em frente à escola. Somatizam música, escutam de tudo e têm uma grande preocupação de saber o que está rolando musicalmente no país. O multiculturalismo brasileiro é algo que encanta e excita o casal.

 Nesse ano, lançaram um novo álbum, o “Manja Perene”. Cd canceriano, Letícia faz questão de frisar. Continuam decolando, rasgando o céu e fazendo meu coraçãozinho querer acreditar no amor e na poesia desgarrada. Letuce é isso: sentidos apurados pro que tem dentro da gente  e para o que está aí ao nosso redor querendo se revelar. Tudo muito sincero. Espero mesmo que vocês se deem uma chance de se apaixonarem por eles ou, ao menos, uma rapidinha, com uma boa dose, claro.

Leonísia F.

Anúncios

One comment on ““Vendo essa tua cara eu sinto que você não me diz”

  1. Pingback: Sinais « Merece uma dose!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Information

This entry was posted on 03/18/2012 by in Tira-gosto.

Navegação

%d bloggers like this: