Merece uma dose!

Merece uma dose! é como uma mesa de bar.

A dose que te ofereço.

Para ti, o que merece uma dose? Muita coisa, concorda?  É só olhar, aprovar e dosear. O nada depois das atribulações do dia, por exemplo. Os dias que nos sentimos completamente possíveis que abraçamos até o vento também merecem uma dose. Há dias, porém, em que nos sentimos completamente impossíveis.

Nessa total possibilidade e impossibilidade é que mora a delicada e frágil experiência humana: a vida. Saber-se vivo é tarefa das mais difíceis. E digo isso porque estou adultecendo e começando a diferenciar as pedras que me foram trazidas e achadas, além das que tive que garimpar.

Adultecer é saber distinguir a pedra da pedreira e esta do pedregulho. Mas só o sábio enxerga a preciosidade de longe. Só ele sabe lapidar e, o mais importante, tem plena consciência de que aquela pedra achada na rua é tão importante quanto o tal diamante.

Não, ainda não sei diferenciar nenhuma delas. Ou esse ainda nem me venha um dia, já que nunca se sabe a hora que o corpo ficará oco de mundo…

Mas não foi disso que eu vim falar e, sim, sobre o que merece uma dose. E te digo, tanta coisa é digna de uma dose: uma risada solta e dar de ombros com as obrigações!

Vou te mostrar outras coisas que merecem uma dose, vê só: mãos dadas, ciranda, vento de mar, a poesia do barulho escondido da cidade, a saia hippie da moça, o cordão de sementes do rapaz, aqueles dois se beijando e assustando a velhinha, essa mesma velhinha que outro dia ouviu um samba e dançou com os braços, a criança que a olhava pela janela do quarto e o latido do cachorro enquanto a menina subia na cadeira para ver. Tudo isso merece uma dose.

Merece uma dose também aquela peça de teatro, a voz daquela cantora, o som da nota musical que tanto se gosta, mas que nem se sabe ao certo seu nome, uma grande ou pequena vitória, um vício superado, um comportamento deixado, o dia, o cotidiano, o cansaço e uma rede. Ah, e uma dose caprichada para o amor esquecido, o amor presente e o amor impossível.

A paixão também merece uma dose, é bom que se diga, mas cuidado, ela não se contenta só com uma apenas. É preciso inventar cores, sabores, texturas, diversos teores e gradações alcoólicas, litros e mais litros para que ela não te ultrapasse. Se a paixão te ultrapassa, a dose vira lágrima.

Mas não te preocupa, o leal bebedor é aquele que chora. O bom bebedor é aquele que bebe da boa bebida e tem coragem de enfrentar a ressaca do dia seguinte. O bom bebedor é aquele que fica pleno com o tilintar dos copos na hora do brinde. O bom bebedor, por fim, é aquele que divide a última dose da noite e oferece o corpo para o amigo se equilibrar.

Tudo isso e muitas outras coisas merecem doses e mais doses, porque rende estórias, confissões, vexames, surpresas e indignações, como a noite. Então, você, pensamento que está aí do outro lado, te convido para sentar aqui e conversarmos sobre tudo, mas te aviso de imediato que não tenha medo de vir, pois estamos protegidos e vamos sair pelas ruas juntos e dividindo copos.

Aceita uma dose?

 Carlos Mourão.

Anúncios

One comment on “A dose que te ofereço.

  1. Lucas
    06/21/2011

    Esse texto, então, merece uma dose e merece um brinde!

    e aqui, após o almoço, seria outro bom momento para uma dose. não contradizendo o que chico dizia, mas complementando: antes e depois do almoço, pra ficar(mos) pensando melhor.

    sorte que, sem a cerveja, pude tomar a segunda dose desse texto.

    vida longa ao blogue, e muitas bebedeiras e ressacas por aí.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Information

This entry was posted on 06/20/2011 by in Conversas ao pé do balcão.

Navegação

%d bloggers like this: